07 Dicas para não errar ao imprimir arquivo na gráfica.

#1. Conra se as imagens possuem qualidade suciente para impressão. É importante ressaltar que as cores e tamanhos do monitor não condizem com as reais condições do nosso arquivo, por esse motivo todas as imagens devem ter qualidade mínima entre 266 e 300 dpi para garantir a nitidez da impressão, Imagens menores são responsáveis pelo aspecto serrilhado, ou estourado (borrado).

 

#2. Perl de cores para impressão é cmyk, cuidado com RGB!
Ao nalizar o arquivo não se esqueça de maneira alguma de vericar em seu software de criação, se o perl de cores está congurado como CMYK, enviar arquivos para impressão no perl RGB causa distorções de cores inaceitáveis, chegando em alguns casos ser preciso descartar o material.

 

#3. Converta Também as imagens para CMYK.
Mesmo com o a área de trabalho congurada em CMYK, quando importamos imagens para nosso arquivo, elas trazem consigo o perl de cores nativo da web (RGB) não se esqueça de também converte-las para CMYK e evitar distorções de cores.

 

#4. Os vilões: Sangria, pontos de corte.
Os pontos de corte servem para mostrar para a gráca onde devem ser realizados os cortes e dobras do seu impresso, e a sangria serve para que na hora do corte não apareça aquelas “bordinhas brancas” no seu material. É necessário que você deixe pelo menos 5mm de sangria em cada corte, mas isso pode variar de acordo com a gráca, então não custa nada conferir direto com a sua gráca de conança qual o tamanho ideal para cortes e sangria.

 

#5. Tamanho das fontes.
Faça impressão do arquivo em tamanho real para conferir se o texto está adequado ao planejado. É comum se deixar enganar pela aparência do monitor e gerar arquivos com textos muito pequenos e ilegíveis.

#6. Escolha do papel adequado.
Alguns papeis dão aspectos diferentes ao arquivo impresso, tanto na cor, quanto na textura, tendo como resultado tonalidades mais opacas ou mais vividas que o desejado, troque uma ideia com a gráca sobre o papel ideal para o resultado desejado.

#7. Boneco e prova de cor.
E sempre que houver cortes especiais ou dobras, faça um boneco manualmente para garantir que o arquivo foi montado da maneira correta. Não abra mão da prova de cor antes de autorizar a impressão junto à gráca, a maioria delas fornecem e é crucial, pois apenas nela é possível ver as cores reais do arquivo, e você também já aproveita pra reforçar sobre resolução das imagens, cortes, dobras, etc.